terça-feira, dezembro 22, 2009

Uma vez

E cai, como se de outono se trata-se, cai a esperança
Esta chuva, tomba-me como a ferida de uma lança
E na lenta queda, cobre-me este nevoeiro serrado
O vento leva toda a certeza e julgo estar errado
Rumo a um local desconhecido, caminho lentamente...
Olho mais longe e tendo a recuar ligeiramente...
Passo a passo enchendo-me de receio
Levo tão longe quanto vou, as partes que odeio
É certo que lutei, em redor do que acredito
Mas hoje parece ser tarde e tudo apenas infinito
Não sei bem como se deve desistir, nem se o hei-de fazer
Neste infinito já nada consigo prever...
O
hoje
foi
apenas
mais
um
ontem
perseguido
por
um
amanhã

4 comentários:

Maracuja Maduro disse...

"
Pagina para a Poesia: Timor do Norte a Sul "

Caros Leitores amigos de Timor:

Feliz Natal para todos os que me lêm, especialmente ao autor deste blog.

Estou de novo activo e aqui fica o meu convite para lerem poemas de Timor-Leste e sobre Timor-Leste, sentidos por Timorenses e por outros que amam Timor-Leste. Nao percam: Poesia de TL e sobre TL no " TIMOR DO NORTE A SUL" aqui vai o site :

http://timordonorteasul.blogspot.com/


aqui poede encontrar poemas de grandes nomes da poesia timorense , do Classico ao "Fote Maka Riba" Timor do Norte a Sul no

http://timordonorteasul.blogspot.com/


Votos de boa leitura e tambem participe com os seus poemas

Joana disse...

Oii, adorei suas postagens, tão super legais.
Beijo.
Bom Ano Querida

Jacarée disse...

É um Poema singelo, bucólico e melancólico que de vez em quando tb., passa por mim.
Fica bem... amanhã será novo dia.

Nadia disse...

é um poema bem elaborado, realista e com uma carga simbólica importante... Não se sabe desistir porque a vida não foi feita para tal, toma as rédeas dela e encontra um rumo para curar a ferida que sempre acaba por curar algo mas não no seu todo...
beijinhu

Enviar um comentário