quinta-feira, julho 10, 2008

Quando tudo ja la vai!



Longínqua memoria do passado,


Ingénua alma e sempre perdoado...


Longínqua mas inesquecível,


Longínqua mas visível!


Já sorri ao que longe está,


Hoje choro pelo que, de certo virá!


Findada a antiga humilde infância,


Nascida a nova ganancia!


Tenho vontade de correr,


Saudades dos braços prontos, para me socorrer!!


Talvez seja louco...sim sou louco e tenho memoria...


Só queria, de novo meu corpo esconder,


Na esperança de que ninguém o pudesse ver!


Desejo o refujo deste eu


E esconder-me em mim,


Sentir-me sozinho de verdade,


Perder toda esta liberdade


E fechar...fechar os olhos, do meu interno ser


E erguer na solidão as lágrimas,


Deixar cair de mim as magoas...


Espontaneamente libertar palavras sem jeito,


Perder por mim próprio todo o respeito!!


Deixar fluir todos os pensamentos,


Escorregar nos maus momentos,


Recolher o sentimento que deles vem,


Esquecer, tudo o que já viveu este alguém,


Este alguém que fui, este alguém que sou,

Só queria não estar como estou...


Libertar-me de contrariedades,


Apreciar de verdade as simplicidades!!


Deixar de lado tudo o que complexamente se criou,


Dentro deste alguém que sou!!


Talvez o esquecimento fosse a solução,


Talvez fechar os olhos resolvesse esta preocupação...


Só queria ser livre...mas livre de verdade!

1 comentário:

Eva Xavier disse...

olá pensador, eu precebo essa tua vontade, mas não concordo com ela. Ainda virá o dia que vais perceber o porquê de estares vivo. Sempre te disse que gostava do pensador tal como ele é...msm que o rosto fosse coberto. Força migo.bjs e acima de tudo acredita em ti e na pessoa boa que és.Lembra-te, eu estou aqui para o que precisares.

Enviar um comentário